Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Ostentações da Banalidade

Nomes perdidos no nevoeiro das lembranças,
atemorizados pelo presente, mortificados nos futuros,
desgastadas memórias em ténues esperanças,
desvanecidos com os incessantes nascituros,
extirpadas vivências inconsequentes,
fúteis poderes impostos maleficentes.

Contundentes aniquilações das culturas,
em inóspitas e indecifráveis sepulturas,
perdidas dos sentidos, da consciência,
extemporâneo extermínio de pensamentos,
perdidos em folhas, em lágrimas, em desalentos,
extinções indolentes dos reconhecimentos.

Exíguos queixumes desarmoniosos,
perdidos nos emaranhados dos sentidos,
rudimentos que se ocultam,
camuflados pela história,
desaparecidos da memória,
extintos de nunca possuírem uma glória.

Consumações das exclusões,
perdidas no tempo, nas desilusões,
mentes apagadas nas supressões,
indagavam, clamavam, exteriorizavam,
realidades que se perdem, entregues ao abismo,
realidades que se perpetuam no selvagismo.

Vociferadas as existências pelas sombras,
inquietas consciências de passado apagado,
sonhos de poder sonhar no sonho acompanhado,
licitudes de uma possibilidade impossível,
anseios de uma emergência impreterível,
incontornável existência submersível.

Corrosíveis demências que se ostentam,
conformidades que nas mentes desalentam,
abjectas virulências que se propagam,
vivências formosas e frondosas que se apagam,
devorações do genial,
vangloriações do banal.

Publicado originalmente em: www.liverdades.wordpress.com
Bruno Miguel Resende
Enviado por Bruno Miguel Resende em 05/11/2007
Código do texto: T723947
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Bruno Miguel Resende
Portugal, 36 anos
10 textos (1184 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/17 13:20)
Bruno Miguel Resende