Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Iudicanda sum

Julgam-me louca. Eu sei!
Crêem eu não ter juízo para
Ter um caminho que eu
Consiga seguir.

Só por quê não compartilho
Da hipocrisia de fingir
Não ter sentimentos humanos?
Desculpem-me, prefiro seguir
Minha própria doutrina.

Não pretendo sucumbir
À insana e infundada ética
Baseada em fantasias
Inantigíveis.

Sei bem o que sou, não tenho medo
De olhares contendo reprovações vazias.
Tenho a mente aberta a críticas
Tudo depende de seus fundamentos.

Não desejo e não espero
Ser compreendida e adorada
Apenas desejaria o que todos
-Sim, os mesmos que me condenam-
Necessitam e aos seres é de direito:
Respeito.

Tenho plena consciência do que faço
e tão diferente dos que me atiram
Pedras e falácias
Procupo-me em não quebrar
Paredes alheias
Tão pouco ferir ou reabrir
Feridas cicatrizadas.

Que pensam vocês, meus algozes,
Quando condenam-me ao inferno?
Realmente acreditam eu um dia
Ter de prestar contas de meus
Supostos mal feitos?

Tenham certeza vocês
Que o inferno do qual
Tanto fogem de forma
Descomunal
Nada mais é que a vida
Medíocre que levam
Deixando de fazer o que querem
Por medo do julgo do seu
Próximo!
Ursel Schwartzinger
Enviado por Ursel Schwartzinger em 11/11/2007
Código do texto: T733185

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Ursel Schwartzinger
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
89 textos (2393 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/08/17 00:36)
Ursel Schwartzinger