Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Falta











Ao mesmo passo que as coisas vem caminhando bem por esses tempos,
sinto que um vazio profundo faz abrigo aqui dentro.
Nos ventos, poucos ventos, que por aqui circulam,
mechendo galhos de arvores e revirando a poeira.
Não sinto o frescor do qual era provável que  sentisse.
Dos ventos, sobra apenas o medo, de que com eles vá embora
o que ainda resta. E ah... como é nobre o que me resta!

De tudo que ficou pra trás,
algumas lembranças ainda voltam a incomodar ligeiramente
quando vem a manhã, e as vezes permanecem durante todo o dia,
a apunhalar-me pela frente, me encarando... nos olhos!
Não sinto disso o medo que deveria sentir,
Nem me acovardo. Apenas sinto as punhaladas,
como um julgamento justo e tardio.

O que tenho agora, não me comove nem me inspira.
Não faço conta do que está agora tão palpável,
e parece-me tudo tão efêmero quanto da ultima vez,
tão raso quanto nascente de rio.
Não durmo e nem acordo esperançoso, e,
Somente a ansiedade me visita cigarro após cigarro.

Das coisas que deixo para o futuro,
prevê-las já não posso, e nem quero.
Quero apenas que se tornem um pouco mais brandas,
que tenham menos espinhos e tons mais nobres.
Quero agora o mesmo que sempre quis.
Quis o que irei querer por todo o sempre.
O que me falta é paz!


Souza Filho
Enviado por Souza Filho em 15/11/2007
Código do texto: T737826

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Souza Filho
Goiânia - Goiás - Brasil
14 textos (158 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/10/17 00:18)