Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Da Utilidade das Ciências

Dos feitos todos da humanidade grande,
Os de descobrir do universo os pensamentos,
No futuro longo para a humanidade
E curto talvez para o universo,
Não restará mesmo uma tênue ruína.
Ou achais que o universo esculpirá
No rosto risonho d’um planeta antigo o busto de um homem típico,
Em memória da humanidade orgulhosa
Que lhe desvelou o pensamento?
Triunfaria mesmo tal monumento sobre a constituição das coisas?
É útil para o universo um homem desvelar-lhe
O pensamento?
Acaso o universo não existe sem que lhe desvelem
O pensamento?
O erguer-se a casa é o arruinar-se a casa,
É o derrubar-se a casa pelo mesmo motivo que
Ergueu-se a casa, e depende da extremidade
Do universo pela qual se olha a casa.
Descobrir o movimento das estrelas
Ou o elétron ser onda e partícula,
Quando já existem elétrons que são ondas e partículas
E o movimento assim, finito, das estrelas não parece útil ao cosmo.
Será um plano do universo que a humanidade orgulhosa
De outra maneira configure os movimentos e a estrutura dos átomos e,
Logo, o movimento das estrelas?
Faze-lo seria não ser mais o universo universo, e a humanidade, humanidade.
Faze-lo é o universo ter como princípio não ser o universo,
Com todo o absurdo de tal pensamento.
Dissessem-me que minha roupa é branca, meu cabelo grisalho
E minha pele sensível não me parece muito útil,
Quando existo com branca roupa, cabelo grisalho e pele sensível
Sem que seja necessário que isto mo digam.
E se em outra parte do cosmo outro ser que não é um homem
Chegou à mesma conclusão que os homens acerca do movimento das estrelas
E da constituição do elétron,
Esse ser que não é homem,
Que é feito de outra parte qualquer do universo,
Esse ser, quando morrer o universo, se é que de fato morrem os universos como se compreende o morrer-se das coisas,
Acaso sobreviverá ele ao universo?
E por quem será seu feito lembrado, o de descobrir o movimento das estrelas e dos elétrons,
Quando não existir mais a parte do universo da que foi feito,
Com seus átomos e elétrons próprios,
Quando não existirem mais estrelas para que delas se descubra os movimentos,
Quando não existirem sequer movimentos?
De que utilidade derradeira será o descobrir-se como funcionam as coisas
Quando eu, que escrevo estas linhas, nem mesmo deixo, ao final,
O testemunho de que tudo passa e se dissolve,
Justamente porque tudo passa e se dissolve?
Corso
Enviado por Corso em 17/11/2007
Reeditado em 22/11/2007
Código do texto: T740426

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Corso
Balneário Camboriú - Santa Catarina - Brasil, 34 anos
19 textos (288 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/10/17 07:52)