Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

LENTO ADEUS



Hoje não encarei a manhã
em risos felizes,
nem coloquei na minha voz
nenhum grito primitivo,
alvo e único como as neves,
lá na serra.
Não me embeveci
com nenhuma paisagem
que suavemente desfilasse
sob o meu olhar brando.
Nem águas cantaram
sob os meus passos,
quando, célere, as transpus.
Nenhumas luzes
me falaram do belo,
nem houve brilhos
nos olhos dos outros.
Os céus não choraram,
apenas choveram gotas de tédio
em absoluta normalidade.
Despertei aborrecido,
sem pássaros alegres
que me saudassem,
nem contassem histórias,
como sempre fizeram.
Sem ligar o rádio,
dirigi o carro, apenas,
em gestos automáticos.
Cruzei a ponte, sem olhar
a cor das águas, ao passar.
A cidade estava baça,
sob o som da chuva
pesada, grossa.
Todos olhavam para o chão,
sem ver ninguém.
Solitário,
fiz o velório da Poesia,
num qualquer recanto
de pedras lisas...


Novembro, 2007

Henrique Mendes
Enviado por Henrique Mendes em 20/11/2007
Código do texto: T745043

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Henrique Mendes
Montijo - Setúbal - Portugal, 61 anos
290 textos (14260 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/08/17 04:13)
Henrique Mendes