Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A humana navalha

Sou a inconseqüência da carne
Misturada com uma dose de verdade
Naquele canto sou eu mesmo
Acima daqueles que podem olhar
Fitando movimentos da janela
Onde tem liberdade sem pretensão
Língua sorrateira
Descubra-me aqui!
A pocilga é o meu lugar
Os teus olhos não me querem
Mais o teu intimo me escraviza
Uma necessidade que não tem fim
Este espaço que meu corpo rejeita
E minha intimidade não para de cortejar
Sinto meus desejos mórbidos
Estourarem como feridas
Para uma consciência ultrapassada
Onde a única alternativa
Seria nunca mais pensar
Deixando o privilégio divino
Para um bando de macacos
Pulando em nosso berço
Com seus lindos ternos
Que acabaram de chegar
Rodrigo Figueiredo
Enviado por Rodrigo Figueiredo em 20/11/2007
Código do texto: T745471

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Rodrigo Figueiredo
São Paulo - São Paulo - Brasil, 39 anos
11 textos (209 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/08/17 15:41)
Rodrigo Figueiredo