Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Primavera

Eu sou aquele que perdeu o apetite à mesa.
Aquele a quem não mais interessa o beijo dourado das rugas da tâmara seca,
Ou os dedos verdes das oliveiras maduras.
Sou aquele a quem a matéria macia do damasco fresco enoja,
Aquele que dispensa a amizade dos glutões inveterados,
E que não mais ri das pilhérias sobre gansos tristes e bois antigos.
Sou aquele que perdeu a graça dos dias em algum dos dias passados,
Que ousou fartar-se do vento perdido, que dobra a árvore no fim do deserto.
Sou aquele que rompeu o caule, esperançoso que vivesse a coroa rubra da rosa
Sem o garfo e a colher do caule.
Eu, o murcho de passado glorioso, que cuspiu nas cabeças dos homens do cimo de uma montanha,
A julgar-se livre da terra, e que agora é escarnecido pelos homens;
O estragado pelas crinas longas do tempo que habita a casa com as portas sempre abertas para o tempo;
O abandonado no claustro que é os restos do que se ama no mundo.
Sou aquele sentado na poltrona puída, e a quem não importa a poltrona ser ou não puída.
Sou aquele cujo coração indolente vacila na noite morna e
Cujo pulmão miserável hesita na borda da caixa aberta da primavera.
Eu sou aquele que perdeu o apetite à mesa.
Sou aquele que morreu, pouco a pouco,
Nu e sozinho.

Corso
Enviado por Corso em 21/11/2007
Código do texto: T746235

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Corso
Balneário Camboriú - Santa Catarina - Brasil, 34 anos
19 textos (288 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/08/17 10:49)