Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Emoção

Emoção
maria da graça almeida

Nasci feitinha de mar.
Marinha, era a água salgada
que me corria nas veias,
vazando descompassada
em noites de lua cheia.

Era um mar bem antigo,
tormentoso, incontido
que já nascera comigo
nas entranhas escondido.

Ouvia eu inda bebê
cantigas pra adormecer
e sob o embalo da mãe
todo meu mar escorria
e salgada como a lágrima,
muita água me descia.

Minha mãe, enternecida,
julgava que seu entoar,
tanto me emocionava
que, com trejeitos e graça,
devargarzinho eu chorava.

Pus-me a dar como certa
a materna fantasia
e assumi toda a roupagem
de pessoa emotiva.

Por muito tempo segui
a verter solto meu  mar,
toda vez que perto ouvia
um doce ou triste cantar.

E assim imenso esse mar
sempre tão pronto a vazar
mais se fazia abundante
e um tolo choramingar
tornou-se choro constante.

Hoje meu mar já enxuguei,
gotas salgadas sequei,
a resgatar certos versos
que, entre balanço e lágrimas,
agonizavam submersos.
maria da graça almeida
Enviado por maria da graça almeida em 23/03/2005
Código do texto: T7509
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
maria da graça almeida
São Paulo - São Paulo - Brasil
248 textos (14811 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 06:27)
maria da graça almeida