Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Estrela de Belém (II)

Eu queria te fazer uma poesia,
mas estou tão vazio de sentimentos,
tão desencontrado comigo mesmo,
tão embrutecido
incapaz de sentir na palma da mão,
na pele inerte,
nos olhos cansados
a tua presença.

Seria bom se eu pudesse rasgar a noite presente
e as noites passadas,
apagar os dias passados,
e o dia presente
para reescreve-los de um jeito diferente.
Sim, estou mudado,
pois já não sou mais eu
e nem sei mais o que sou,
talvez um ser inanimado,
talvez desanimado,
um ser sem passado,
e sem presente
(isto para nem falar de futuro).
Sim, estou cansado dessa condição humana.

Meus irmãos se perderam,
ou se venderam
pensando terem encontrado
o sonhado Eldorado
talvez o Éden,
ou a Terra prometida.

Minhas mãos se cansaram
de buscar palavras amenas
para falar de amor...
... amor, tantos desencontros
na ilusão de te encontrar...

E tu, Estrela de Belém,
por que não brilhas mais neste meu céu?

E tu, ó Sol, aborreceram-te? E eu com isso?
Decerto nada fiz por ti,
nem contra ti
e pela minha omissão
me deste essa missão
de escrever palavras mortas
de tanta emoção,
de tanta ilusão,
de tanto amor
.

Lucas Castro
Enviado por Lucas Castro em 26/11/2007
Reeditado em 13/10/2008
Código do texto: T753956

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Lucas Castro e o site www.eporfalarpoesias.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
Lucas Castro
Novo Hamburgo - Rio Grande do Sul - Brasil, 56 anos
157 textos (6160 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/08/17 03:37)
Lucas Castro

Site do Escritor