Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Eu poesia



A minha poesia quando vaga parece ser criança
Dessa que, de tão levada, vive aprontando molecagens
Para chamar as atenções e a carapuça de ser sério.
Ah! Poesia que contorna e me adula, te vejo assim
Como um remédio para todos os males,
Assim como rio banhando os meus pés, levando
As dores do cansaço para longe do meu corpo aberto,
Que vive a receber todo o esplendor que a natureza oferece.
Ah! Poesia Sol; Ah! Poesia tempo.
Ah! Poesia quimeras-verdades.
Ah! Poesia pássaros; Ah! Poesia eu...
Que desvaneço na margem da poesia,
Tentando me misturar a ti e caminhar por todo este mundo,
Mostrando-me de várias formas...
Como de várias formas se faz poesia.
Ah! Poesia do outro lado infinito,
Meus olhos absortos te espreitam
Querendo visualizar o sonho;
E na margem dessa poesia água, ultrapasso sem me molhar,
E diante de ti me prostro em seus braços, que
Como num ninar me leva para outros sonhos
Que parecem querer arrancar de mim meu espírito.
Ah! Poesia, como é duro acordar para a realidade.

Vicente Freire – 02/04/1985.
Vicente Freire
Enviado por Vicente Freire em 03/12/2007
Código do texto: T762512

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Vicente Freire
Belford Roxo - Rio de Janeiro - Brasil, 63 anos
280 textos (22901 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/10/17 20:08)
Vicente Freire