Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Rosa e espinhos



A mesma rosa que profana o meu coração
É a mesma rosa que o rasga...
São momentos, puros momentos de reflexão e de verdades ditas pela metade.
Sei que da rosa a língua é morta, é tremula, omite verdades
Que às vezes, a própria rosa desconhece.
A verdade de, calada, aceitar a minha doce conquista, o meu desbravar.
Quisera eu ser o seu senhor, absoluto;
Quisera eu ter-te plantado o mais sublime sentimento;
Quisera eu, na jardinagem da vida, te regar toda noite em nosso jardim,
Onde com inveja nos olharão nossas fadas, nossos duendes.
Quisera eu te fazer flor no justo momento do cio...
Quisera eu mas não posso, pois nasci com raízes falsas, tarde demais.
E agora só me resta tê-la virtuosa em minhas retinas e em meus sonhos...
E te imaginar e te amar e te esperar, esperar que um dia
Você saia dessa floricultura onde nada mais te acrescenta;
Pois pra mim, antes que me lances espinhos, sera sempre rosa...
Nada mais que rosa, rosa, rosa, nada mais.

Vicente Freire – 02/10/1985.  
Vicente Freire
Enviado por Vicente Freire em 05/12/2007
Código do texto: T765296

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Vicente Freire
Belford Roxo - Rio de Janeiro - Brasil, 63 anos
280 textos (22854 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/08/17 07:56)
Vicente Freire