Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ALDEIA DA ALMA (3)

MÁGOAS

A mágoa abriu-se e cresceu,
a ira contida da vida revelou-se,
a lágrima fria fervia no coração.
A nossa imponência falia
como se toda a luta dos dias
fosse simples, simples utopia...
A mágoa dos outros está acordada
para tomar o primeiro ônibus de manhã.
A cor, o preconceito, o direito e a miséria;
é a mágoa, é a água que verte de nossa pele.
O mito, o triste, o Deus, o nada...
É a mágoa, é a água que verte do nosso amor.
No peito a dor
de ser fraco e sem direito à vida...
O grupo social colhe a ignorância
e semeia iniqüidade.
Oh! Mágoa de saber de nossa verdade,
no leito, a dúvida,
no leite, a dívida,
no lenço, a dádiva,
o empréstimo
e a devolução obrigatória.
Oh! Mágoa... construção de um peito-arte
de raízes profundas com sonhos além de Marte.
Esperança... tempo de uma longa estrada,
mágoa deste caminho difícil e estreito,
restrito caminhar...
Esperança... Esperança...
Belo nome que nos deixa uma herança,
linda herança que não desaparece.
Mágoa que fere tanto os seus filhos,
talvez, só com você se encontre o alvorecer.
Como os elos da vida prendem-nos!
Nossos ossos quebram-se com a fragilidade.
E na mágoa de nossos elos, nossas prisões
soltam-se pelo espaço
a procurar veneno...
E a mágoa do veneno traz a morte
em vida crua...
Assim continua a cadeia
da grande lei injusta de homens...
Temíveis leis dos homens!
Que abominam a liberdade,
que até de sinceros ideais inocentes
querem roubar tostões...
Ó... mágoa... dos homens! Revolta de ser tão pobre,
tão pequeno que destrói a própria evolução.
Ó mágoa dos homens... mágoa do rico, mágoa do nojo.
Ó mágoa...
Intenso grito de revolta suplantado pela covardia.




A VIDA E O BOFETE

Cálidos ventos dos sem abraços,
ser este traço de marionete.
Não gosto da vida e seu bofete.
Ingenuidade de se acreditar na sorte.
Escrever o número sete nos quadrinhos
hediondos.
Gosto da vida e seu confete,
as drogas todas já perfiladas,
as malícias todas já decoradas.
Dominar o mundo com uma frágil raquete.
Não gosto da vida e seu bofete.
Até ontem cantar era bom,
hoje, obscuro, soletro o dia
de cão civilizado.
Não gosto da vida e de minha manchete.
Assim que me desvio, cessa-se o murmúrio,
mas começa o arrepio.
Temo a cilada e a válvula de escape.
Assim que o rapa começa,
escondo-me no arbusto da noite,
aonde não chegam os demônios da noite.
Temo a vida e o seu breque,
cartilagem frágil,
aragem de ameaças.
Não gosto da vida acostumada ao bofete.
E pensar que a borracha e o sangue
alimentam estas bocas...
Não gosto da vida
e seu delicado cínico bofete.




DISSOLUÇÃO

O que se passa no mármore
Eu transparente? Caminhei os vidros,
afoguei nos tanques domésticos...
Os médicos não passaram por aqui.
A vida eu a devoro
dente por dente.
As hastes do imperialismo
já se levantaram.
É uma traição indecente
esta pedra que se impregna.
Os risos se pontificam
e eu, digno, caminho indigente.
Agora, como poeta, tenho que rejeitar
o meu verde.
A vida eu a desafio dente por dente,
e tão concreta é a sua estrutura decadente!
As veias e os arco-íris do cinismo,
a muleta, meu terceiro braço.
Poderoso e paciente...
O que se passa adiante?
A vida eu a renego dente por dente.
Esta canção que se repete,
o meu alimento que reina como veneno.
A vida eu carrego por não ser mais inocente.
A vida eu enxergo com olhos de serpente.
O que se passa no asfalto e o que se prolonga
aqui dentro é o navio, é o vazio.
As veias que pululam em minhas próprias mãos.
As asas abandonadas qual papel de seda.
Eram frágeis as asas,
eu não sabia, era inocente.
As asas rasgadas
tão papel de seda.
Um arco gigante e uma flecha no fim da vereda.
Meu sangue eu desperdiço
na tarde excedente...
Meu corpo é um cortiço
e vocês, reis e rainhas,
tombam do meu horizonte
que termina no morro.
Na vida eu me incluo,
mas ninguém sente,
porque a máquina é crua,
ela caminha conosco.
Na vida o paradeiro incerto,
a ânsia no rosto,
a vida como desafio dissolvente,
e como o mar pode estar aqui?
A linha transitória do passado,
a vida eu a absolvo,
enterrando sementes.
E como mármore pode se mover
ironicamente?
Uma lente de contato
eu tenho e enxergo o arco e a flecha
certeira em sua incerteza,
fascista em sua mesa.
E como resistir pode um covarde?
O tempo é o único alarde.
O meu incidente e o imperialismo na tarde.
A vida eu crio fracamente.
Uma ilusão que teima no tira-teima
em não ver o tira abjeto que me faz objeto.
A vida eu cavouco indecentemente,
enterro o meu osso para amanhã
eu poder roer dente por dente.
A vida não domino,
meu nome é um ente
do dominó acima de mim dominando
o nó cerrado do mundo.
A vida não me descarta,
até minha omissão é uma carta
do baralho do mundo que me desafia
como navalha...
A vida e o seu falar,
acima de mim os quatro
cantos da mesa de bilhar.
E o meu coração rolando,
Rolando, morto...
O taco frio do método frio.
O fim é este e a palavra é esta:
Esteja contente!
Por restar a possibilidade,
as luas se aglomeram solitariamente
diante da imensa vontade de amor,
na fria e impassível noite do mundo.
A vida eu a reflito,
propositalmente.
As algas se vestem em torno de mim.
Cavalga minha muleta anti-herói.
Na vida desfruto com desespero.
O fim é este e a palavra é outra.
E a história é o prolongamento
deste alfabeto em reboliço.
E a palavra é o que dentro
de mim constrói aquedutos,
e o fim é um conflito
no mundo de capas e de vampiros com os olhos
astutos.
O prolongamento é este,
entre a reunião dos sinais e a dissolução dos objetivos,
o fim é este
e a vida eu a prolongo
passivamente.
E a possibilidade se reveste
aurifulgente...


FERNANDO MEDEIROS
primavera de 2005
FERNANDO MEDEIROS
Enviado por FERNANDO MEDEIROS em 01/12/2005
Reeditado em 18/12/2005
Código do texto: T79746

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor Fernando Medeiros e o link para o site www.recantodasletras.com.br/autores/fernandomedeiros). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
FERNANDO MEDEIROS
Campinas - São Paulo - Brasil, 53 anos
155 textos (8752 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 14:39)