Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Vestígios de uma alma aflita

Entro no quarto.
Ouço uma voz que ecoa do canto da parede cinza.
Essa voz vem do rádio que toca desde a primavera a mesma música que erra nessa esfera.
Na janela, as negras cortinas cobertas por fuligem e poeira que vêm de fora, de uma paisagem a parte.
Não deixam entrar a luz do dia, luz do verão, que amargou então em seus negros mantos.
Avisto um colchão velho,
Quem sabe um alento...
Não!
Tomado pelas traças que o consumia,
Somava-se ao frio cenário que ali se percebia.
A mesma música que toca no rádio desde a primavera,
Já não erra mais nessa esfera,
Pois começa a afligir minh'alma sincera.
Ouço uma voz
Mas não é a voz da música que ecoa do canto da parede cinza.
É a voz de um cativo em pranto.
Pranto não dissipado.
Um cativo morto, sepultado.
Sepultado para sempre nesse quarto,
Condenado a ouvir a mesma música errante
Que porém já não erra mais.

Kétilen Paes
Enviado por Kétilen Paes em 18/12/2005
Reeditado em 06/07/2010
Código do texto: T87467

Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Kétilen Paes
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
160 textos (4889 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 08:45)
Kétilen Paes