Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

... À BEIRA DAS FALÉSIAS (3)

RASTROS

O meu futuro está traçado,
tenho que esquecer o passado...
Minha vida segue os rastros
da falsidade que me afasto.
Estou sofrendo com o presente,
os amigos estão ausentes.
Estou esperando o tempo passar...
Rezando num altar,
estou rogando a Deus:
Por que só eu,
por que só eu,
por que só eu?!
Só eu tenho que suportar certas
perguntas.
Só eu tenho que ser vítima
dessas putas.
Só eu tenho que ser o que
não sou.
Só eu tenho que ficar com o que sobrou.
Contudo, deixa pra lá,
um dia isso ainda vai mudar.
Aí sim eu vou poder falar
pra todos que me fizeram
chorar
que sou só-mulher apaixonada.
E essas perguntas, não! não
mais irão me maltratar.



RAPSÓDIA NOTURNA

Ruídos indefinidos
embalam o corpo
num ritmo descompassado
e alucinante.
O êxtase do movimento
inconstante
toma forma,
contorna e torna
o corpo dormente.
Já não se sente
movimentos atraentes.
Luzes fora de foco,
olhos embaçados,
corpo suado,
som ensurdecedor.
Adrenalina supera a dor,
loucura à flor da pele.
A razão apenas sugere, e geme...
    U N D E R G R O U N D



SER E NÃO SER

M: _ Ando nos limites da sua insegurança,
vago perdida em suas revelações,
procurando ser e não ser confusões.
Mistérios ferindo meu coração-criança...

N: _ Vôo no infinito da sua imaginação,
meu coração soluça,
tentando ser e não ser.
Debruço-me sobre seus erros de contradições...

M: _ Tropeço em meio às palavras,
esquecendo a frase correta...

N: _ Tentando ser e não ser deserta,
deitada em qualquer estrada...

M: _ Entristeço-me,
pensando ao contrário de mim e
tentando ser e não ser
sendo o que não sou...


CADA UM DE NÓS

Em cada história um drama,
em cada drama uma morte,
em cada morte um grito,
em cada grito um corte,
em cada vida uma angústia,
em cada angústia uma ferida,
em cada ferida o pus, em cada pus a despedida.
Em cada amor uma paixão,
em cada paixão uma desilusão,
em cada desilusão um pranto,
em cada pranto uma transfusão,
em cada corte um grito,
em cada ferida o pus,
em cada morte o vivo,
em cada vivo algo inexpressivo.



HIDDEN

Tremo num ritmo lento
atento por dentro
de um sofrimento.
Choro, sinto medo,
não amo, me engano.
Acredito, minto, sofro...
Desespero-me, ainda espero, anseio...
Alegro-me, mas logo me entristeço.
Perco os sentidos, olhar atrevido,
não me comprometo...
Esconde-se em mim, não estou afim.
Vivo, algum dia morro.
Ainda tremo, sorriso supremo,
sofrimento extremo.



 ELAINE BORGHI
primavera de 2005
ELAINE BORGHI
Enviado por ELAINE BORGHI em 19/12/2005
Código do texto: T88269

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor (Elaine Borghi) e o link para o site www.recantodasletras.com.br/autores/elaineborghi). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
ELAINE BORGHI
Campinas - São Paulo - Brasil, 42 anos
56 textos (1486 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 18:20)