Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Poma XIII para um dia nove


É preciso que a noite rache de frio
para que a lua se deite
no lençol das montanhas,
e eu veja, enfim, rostos de pedra
e olhos claros como os meus,
à minha janela.
 
É preciso que a geada beije os azevinhos,
para que a lua se esconda nos ribeiros
que escorrem por detrás de mim.
 
É preciso, alfim, que eu seja da terra,
e os meus dedos de argila,
para que o vento sopre nos labirintos
do verso que me encerra.
 
Por enquanto é noite - novamente -
e só as açucenas dormem.
 

Cristina Pires
Enviado por Cristina Pires em 10/01/2006
Código do texto: T96608

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Cristina Pires
França, 51 anos
87 textos (6702 leituras)
1 áudios (37 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 20:40)
Cristina Pires