Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

poema para a noite de número 5

procurava o ninho onde as abelhas recolhiam,
quis fazer-me um operário e construir,
construí um novo mundo, era arquiteto,
repartindo o meu trabalho sem suar-me da labuta,

mas era apenas a utopia,

o papel que se escrevia
escorria de mi'a boca
fragmento das parreiras,

quando as uvas de um natal prometiam-se aos reis magos,

e o fruto da menina
que cumprira a comunhão,
o vestido branco casto
da menina que rezava,

era a cruz que pendurasse
na corrente dos jasmins,

e o desenho que riscava
a redoma das estrelas
compreendia o vaga-lume
vagaroso que a criança
prisionava de entre os dedos,

era julho e mês de frio.

eram nuvens das chuvas de maio,
eram ventos soprando as neblinas,
e quando a fúria dos céus trovejava,
era deus que se ouvia na treva,

e ao moldar de sua argila de sonhos,
quando um sonho queimava as distâncias,
brandiam fogueiras na noite
e a fumaça das preces
dançando ia aos céus.

andré boniatti
Enviado por andré boniatti em 16/07/2006
Código do texto: T194964
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
andré boniatti
Corbélia - Paraná - Brasil
288 textos (45249 leituras)
17 áudios (884 audições)
14 e-livros (768 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 14:25)
andré boniatti