Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Que Poesia?

Por que esta poesia de pedra,
Que ressoa nos tímpanos,
Sem qualquer som agradável?
Por que esta poesia tecnológica
Que me apraz e faz os versos cinzentos,
De puro fel de uma dor que não existe?
Por que esta cor cartesiana
A esconder colorações imperfeitas
Dos interiores invisíveis?
E pensar que tudo isso é ilusão,
Tanto em céu, tanto em asfalto,
As pedras e os elevadores,
Os edifícios ao alto
E as mentes cá embaixo,
Sorrateiras, como lontras no cios.
Ora, o que esperamos ser
Com esta poesia de escritórios,
De úmidas visões líricas,
Como a sobrevoar casas e sonos,
Tentativas vãs de conter o universo.
Os computadores, os números,
As contas exatas,
A mensuração de tudo e todos,
Uma poesia distante dos rostos,
Tela imberbe que nada penetra,
Sonolenta e tardia,
Esqueceu-se das praias,
E das marés e das noites
Que pulsam como são,
Sem as pedras contadas como tijolos,
A construir poesias de treliças,
Subterrâneas e gélidas.
Não, meus senhores, construamos
Uma poesia que se sustente por si,
Que seja a vertente do mais íntimo essencial,
A poesia que se revela em cada espaço vácuo,
Entre nossa mente e as pedras que não falam.
Grego
Enviado por Grego em 11/08/2006
Código do texto: T214129
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Grego
Mogi das Cruzes - São Paulo - Brasil, 57 anos
4 textos (70 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 11:02)