Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O parto do lápis na cama de celulose

Fazer do mundo um poema
Lirisar os problemas
Sentir o céu aos meus pés
Querer quem me quer
Sentir o figurado, sabendo que,
Há um pouco de concreto
Do lado do abstrato
Há uma prisão perpétua
Para cada um de nossos atos
Mas nas entrelinhas pode-se
Voar sem asas, mergulhar em letras.
Amar em brasas, morar em outro planeta.

Então...
Toquem as cornetas, chamem os anjos.
São milagres acontecendo
Independente de Santos
As linhas medidas, sofrendo metamorfose.
Gostam de sofrer, de valer pra valer.
De ser infinitas, infindas, universo.
Uma ilusão de ótica, uma frase gótica
E as mesmas linhas paralelas se beijam e transam.
Na extremidade da visão, se agarram e se engolem.

Só um sonhador é que enxerga esta vida em página.
Para a folha é uma sorte ser rabiscada sem limites.
Só uma folha fortuna emite uma quimera virgem.
Enzo Pinho
Enviado por Enzo Pinho em 12/09/2006
Reeditado em 17/10/2009
Código do texto: T238660
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Enzo Pinho
Nova Era - Minas Gerais - Brasil, 31 anos
239 textos (20089 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 18:55)
Enzo Pinho