Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Morfema Preso

A solidão me corrói
E a noite cai
Está tudo repleto de advérbios
E adjetivos
No dicionário mudo

Não me detenho ao verbo
Prosto-me
Perante o coração
O sufixo imita a razão:
Mente
Dominadamente
Dominada a mente
Que não entende
Porque o coração sente
E as mãos: tremem

O coração ressente
Em sensação presente
Inspiro profundamente
Não há palavra que agüente
Não há lágrimas ardentes
Sem classificação
Que se apresente

Sem deleite
Fatidicamente
Volto ao final

Apenas um desejo
Que se unam adjetivo e advérbio
Sufixo e prefixo
Que nada...
Tudo fica rasgado
No véu das palavras
De-form-ado

Conformado
O morfema fica preso
Desalento
Meu final...

Rose de Castro
A ‘POETA’
Rose de Castro
Enviado por Rose de Castro em 11/09/2007
Código do texto: T648411
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Rose de Castro
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 60 anos
200 textos (22279 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/10/17 08:11)
Rose de Castro