Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Tempestade

As águas caem do céu mais uma vez,
As vejo com nobre ideal, e esperança
Através das frechas da janela.
Observo sua beleza e canção.
E quando raios caem abruptamente
entoam uma sinfonia quase perfeita
No palco utópico da  minha mente

Enquanto os transeuntes correm,
Eu tento engolir tudo isso com meus sentidos,
Sentidos dipersos pelo mundo afora;
Pelo mundo coberto pela minha imaginação.
Assim tento fugir de tudo que é real,
Porque nesse castelo não há saídas,
Não há vidas, Não há morte.
Morax
Enviado por Morax em 03/12/2005
Código do texto: T80289
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Morax
Teresópolis - Rio de Janeiro - Brasil, 32 anos
6 textos (321 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/12/16 17:58)
Morax