Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Pilefatos



N’uma noite, em que a lua era a única presente, a uns bilhões de anos atrás, alguém se sentia tão só, que olhando para o universo, quis rever nos seus versos, o viver do progresso de sua cultura pilenar.
Tomando como parte, a cultura, o espaço a sua frente, fez criar tão rapidamente algo que a Ele pudesse transportar, e criou uma aeronave tão bela e tão perfeita, que os seus comandos eram por sentidos, que com o passar de alguns segundos, sem que Ele algo fizesse, virou aves do mundo.
Satisfeito com o que viu, quis querer e foi ao mar, onde olhando o azul celeste, quis fazer um outro teste; fez então de modo sábio uma nave aconchegante que o levasse as profundezas dessas águas tão distantes, foi, e mostrou seus conhecimentos de um modo tão sutil, que ao chegar a praia rasa sua nave re-partiu.
Ele achou aquilo engraçado, que de modo, que olhando pro mato, tanto verde com tanto trato, que resolveu n’ele adentrar, mas, precisava, Ele, de um transporte, algo que fosse ágil e forte, algo que fosse rápido e esguio, e como num toque de mágica fez presente uma máquina, a qual batizou de carro-tanque; venceu, a maquina, muitos obstáculos, até que um dia, bem lá no coração do mato, pediu ao Senhor “liberdade”, pois srvira por várias horas ao amo com amizade, foi então ela liberta.
E daí! Que num pensar tão forte quis estar no lado norte, terras belas pelo seu todo, que por gosto do seu sonho seria o éden do seu rebanho; e então que na vontade de um saber incomparável fabricou uma grande nave, que rastejando pelo chão num relâmpago de velocidade, levou tudo o necessário do que o Senhor achou de bom; e ao chegar a terra santa, como quem já não se espanta, foi dada a nave grande alforria por servir, ser réptil no porvir.
Foi então criada a máquina, a mais perfeita dentre todas, a mais serviu e a mais capaz; deu-lhe então uma carga de conhecimentos tão próprios, que fez d’ela o seu acompanhante, o seu amigo, seu confidente; e então, que numa expressão tão preocupante, partiu Ele galopante, nos olhos de um prato daqueles gigantes, num riscar qual fio de pensamento, e a máquina, que atrás Dele correra num desespero tão grande, parou diante do mar a contemplar um novo horizonte, que de novo surgia.
Não fora lhe dada à alforria, não fora lhe dada à liberdade, mas ficou a ansiedade de, Ele, de novo voltar; foram passados alguns dias e o respeito que a máquina sentia se misturou com o seu amor e saudades, nada mais, apenas lembranças.
Foi então que num repente, cruza o céu um fogo ardente que cai por pouco no pomar, corre a máquina outra vez na esperança do retorno, e o que viu foi tão terrível, que num gesto de loucura se bateu alucinada.
E foi correndo a máquina entre o fogo num final de desespero, caminhou tão debilmente que caiu na terra quente; muito tempo havia passado e o corpo da máquina entre escombros prensado no mundo ainda pensava, só que de modo diferente; pois sua mente já tão doente, tirara dele a semente, fizera dele um ente.
Vai que com esforço mongolóide, levanta de sob os escombros o mais novo e liberto humanóide, que tão tonto por tudo que via, num lance de gesto esquecia aquele que te fez cria.
E parte o ser já refeito, perfeito, sem quase defeito, a fazer, a amar, a criar; e fica no ar a pergunta: Até quando o progresso consome o que fez, o que faz os homens.

Homenagem a Carlos Drumond de Andrade pelos seus 80 anos de idade.

Vicente Freire – 31/10/1982.
Vicente Freire
Enviado por Vicente Freire em 02/12/2007
Código do texto: T761263

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Vicente Freire
Belford Roxo - Rio de Janeiro - Brasil, 63 anos
280 textos (22901 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/10/17 09:31)
Vicente Freire