Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A Agonia do Amor

A AGONIA DO AMOR
 
Introdução:
Tendo Cronos retornado ao Olimpo e vencido em dura batalha seu filho Zeus, elaborou uma estratégia para retomar seu poder entre os Deuses, mas estes, acostumados aos benefícios dados pelo segundo, buscaram rebelar-se contra o progenitor. Porém, traídos por Hades, foram condenados às profundezas do abismo.
 
I - A punição aos Deuses rebelados e a decadência do Amor
 
Cronos, apressou-se, ao conhecer o levante
Livrar seu reino dos ditos deuses maus
Condenando seus intrépidos comandantes
A pelejar na eternidade do profundo caos.

Convicto estava de sua danosa ação
De se tornar só um Deus do Olimpo
Que condenou, sem piedade, toda a nação
De anjos que o estivesse afligindo.

Amor, denominado Deus Cupido
Foi exilado semi despido
Às profundezas da danação.

E ao seu lado, tão degradantes
Caíram se outros integrantes
A derivar no mar de fogo, tal como naus.

II – A criação do homem, da mulher e da culpa

Realizado o seu comando providente
Quis o belicoso realizar algo estupendo
Para reinar como onipotente
Criou no mundo o seu espelho terreno

Para alinhar todas as forças existentes
Deliberou com seu poder divino
A nascença de seres bem diferentes
Aqui chamados: masculino e feminino

Mas por ciúme ou vaidade
Ao ver Amor na proximidade
Criou a fruta, a lei e a culpa

E ecoou como um trovão por todo Éden
Oh filhos meus! Por favor, não pequem
Ao sabor da maçã, chegarem-se a satã.
 
III – Amor passeia no Éden e ocorre a traição

Cupido que já cansado estava
De viver noite e dia
Mergulhado nas flamejantes lavas
Foi passear no paraíso que ali nascia

Reviveu em sua memória o que já conhecia
Ao ver vermelho e suculento
O redondo fruto que a árvore oferecia
E colheu do alto ponto seu contentamento

A mãe primeira que por ali passava
Observou o enredo que se iniciava
E quis tão logo uma explicação

Cupido prontificou, bondosamente
Numa ação inconseqüente
Que motivou a humana traição

IV – Os mortais sobrevivem protegidos pelo Amor

Indignado, bramiu feroz Cronos
A reforçar aos filhos o terrível dano
E condenou os a fora do Éden amargar
As conseqüências de escolherem se amar

E com o coração reprimido
Saíram os mortais do paraíso
Sem saber que Cupido protegia
A humanidade que deles nasceria

E surgiram gerações importantes
De Guerreiros, filósofos e errantes
Fazendo do exílio um conto da história

Até que o Cronos todo invejoso
Pôs ideal bem venenoso
Para humanidade ser levada à paranóia.

 
V – A Igreja e a Culpa

Para destruir a sabedoria e o pensamento
Foram designados cléricos sanguinolentos
Que devastaram em chamas e espada
Toda a cultura que média idade guardava

E impuseram a agonia
De condenar a heresia
A Merovígia descendência
Que a cristandade pertencia

E um novo livro foi reescrito
De seleções de manuscritos
Qual era a verdade decente

E a mulher passou a ser serpente
O casamento a maldição
De qualquer homem que buscasse a salvação

VI – A agonia do Amor e da humanidade

E já nos tempos em que vivemos
Vemos os homens a acharem se pequenos
Quando se percebem dominados
Por sentimentos complicados

Temem chorar, de se entregar ao ser amado
E buscam fugas os adoentados
Sem perceber que o distanciar
É a pior ferida que irá lhes machucar

E tão covarde é o que vejo
De serem mais fortes que o desejo
Como idiotas sobrevivendo

Enquanto Amor vê tristemente
O definhar dessa querida gente
Por quem na eternidade irá lutar.
Severino Caos
Enviado por Severino Caos em 21/03/2006
Código do texto: T126358
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Severino Caos
Mariana - Minas Gerais - Brasil
4 textos (206 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 10:43)
Severino Caos