Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Morre um amor

Como pode um amor doer no peito?
Um amor que nasce do vento
Me deixa no desalento

Uma dor que não vejo ,mas sinto
E como sinto,me invade ,me tortura
Um amor profundo e grandiosamente sinto

Me pegou desprevenido
Sem esperar me invadiu ,se instalou
Moradia se fez em meu peito

Ah,amor cruel, sem piedade
Não lhe dei permissão, mesmo assim me invade
É um amor lindo,mas dolorido

De tão dolor , em meus olhos uma lágrima se faz
Porque invadiste meu peito,sem as conseguências somares
Agora somo a dor, multiplico por sofrimento

Um dia mandarei em você meu peito
Não me controlarás
Em ti eu é quem vou mandar

Agora me torno ator
Fingindo não sentir dor
E ainda sorrindo para não declarar o tamanho do amor

Pois você de tanto querer, ainda foi renegado
Agora a amo desesperadamente
Mas ela não me ama, como achei amar-me tão solenemente

De meu coração aos cacos ainda estou juntando
Sentindo esta dor que não sobrevivo
Me odeio por isso, te odeio amor por isso

És um lindo amor
Um sentimento tão sentido
És grandioso como muitas galáxias

És puro ,mui fidedigno
Sem limites, sem barreiras
És sem igual, precioso e sublime

Mas foste rejeitado
De modo que tens de morrer
Morrer para não me fazer mais sofrer

Antes que morra amor perfeito
Um aviso lhe dou ,que é por direito
Ninguém vai amar essa princesa , como eu amei...
Deoclécio Rodrigues
Enviado por Deoclécio Rodrigues em 12/05/2006
Reeditado em 12/05/2006
Código do texto: T155029

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Deoclécio Rodrigues
Ribeirão Preto - São Paulo - Brasil
107 textos (5269 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 05:01)
Deoclécio Rodrigues