Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Sem nenhum escrúpulo


Na dor que resides, sem escrúpulos
Como se fosse eu
Um monte de mulheres,
Escolhes – por dia, por noite-
E apertas o nó, como rede,
Pescando meus sentidos
No meu ser.

Aceito. Permito.
Concedo ser muitas
Para ficar viva.
Escondo minha alma
No meio de todas,
Fantástica tática
Passando escondida.

Reclamas, desdenhas.
A escolha é pequena
Também infinita.
Não quero o geral, o visível,
Isso mataria.

Desdenho, reclamo-
Mantenho-me viva.
Aceito e permito
Ficar despercebida.
Mas sei que palpito:
Roubei teu perfume
Enquanto dormias, tua alma
Teu peito de homem, tua vida
E fiz as bruxarias naturais das mulheres:
Enfeiticei tua dor, meu amor,
como tu, a minha.
Escondida.
Marieta
Enviado por Marieta em 12/08/2006
Código do texto: T214650
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Marieta
São Paulo - São Paulo - Brasil
15 textos (224 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 16:27)
Marieta