Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O amor

17/05/06

Tão depressa chegastes
Como se a mando de Eros
Em silencio contente falastes
O que mais no mundo quero

O amor desprovido de razões
Sentir sem pensar
Sentir, não sabendo aonde chegar.
Ir a vestir-se de flores
Nos campos das canções
Amando o cuidado
Não dando ligança a rumores
Menos palavras, mais ações.
Aproveitar o momento amado
Deixar que o tempo traga as dores
Dar às mãos a sinceridade
 Pisar o monótono
Ser criativo sem vaidade
Fazer-se uma ciranda de surpresas
Deixar o olhar falar ao corpo
E todo em atenção seja
Falta de atenção? Destrói o bem
É mister sentir que também
Beija-nos a sedutora visão
E de caricias loucas e sem fim
Mostra-se afinado gosto, assim
Como fosse tal qual uma boca
Na possibilidade do carinho
Instintos, amor, forças loucas.
Deixar-se solto ao olfato
Que bem marca a ocupação do ninho
Cada célula em seu espaço
Prazerosas de si, rainhas dominadas
Da intensa paixão que vem do tato
Afinar os tímpanos ao bem ouvir suspiros
Sussurros e demais temperos que saliva
O gosto, deixando-o apurado ao paladar.
O amor é a sensibilidade
Extrema aos órgãos dos sentidos
Que faz o ser especial, único,
Exclusivo.
---- --- -- Marcos Rosa
Marcos Rosa
Enviado por Marcos Rosa em 19/08/2006
Código do texto: T220561
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Marcos Rosa
Aracaju - Sergipe - Brasil, 35 anos
109 textos (3198 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 08:56)
Marcos Rosa