Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Seria amor ou uma terna ilusão?

Ferimento que foi sarado
pelo tempo, seu aliado
Completamente cicatrizado
Por uma nova experiência
Onde nem a máxima da ciência
O havia localizado.

Foi tortura e sofrimento
Foi um passar muito lento
Foi um penar tão cruento
Que ninguém avalia
Só eu mesma conhecia
Ele era todo meu contento.

Ao corpo foi mortificação
Ascetismo sem compaixão
Que massacrou o coração
Sem respeitar a ferida
Que por mim era sentida
Por esta iludida veneração.

Neste viver tão insignificante
Foi na fonte murmurante
Na estrela mais brilhante
Que aprendi um ensinamento
E até hoje o trago no pensamento
Como o mais raro diamante.

No lirismo da poesia
Transmitia em elegia
A tristeza que eu sentia
Como cruel tormento
Que vinha a todo momento
Me encher de fantasia.

Este amor se elevou ao apogeu
E do meu seme floresceu
De escombros ele viveu
Como a flor que desabrochou
E que logo depois murchou
Este amor em mim morreu.

Para mim sua triste morte
Foi o ápice da sorte
Que fez primeiro um corte
Para depois entender
Que eu não amava este ser
Com um sentir muito forte.

Pensei que não cicatrizaria
Esta mágoa que me feria
Achando que jamais sentiria
Um amor igual a este, morto
Mas, me surgiu por conforto
A longa vida que eu teria.

Tentei procurar, mas, não encontrei
Quis me desesperar, mas me refreei
O tempo falou e eu esperei
E em ti que eu não esperava
Que outro amor encontrava
Finalmente me realizei.

Tenho medo de sonhar
E muito tarde acordar
Para novamente chorar
Quando depois perceber
Que este amor vai morrer
Que a felicidade vai acabar.

Mas, tenho que enfrentar com valor
Este puro e verdadeiro amor
Que eu sinto com ardor
Caminhando sem temer
Que pode acontecer
Outra tão triste dor.

Receando chegar a te ferir
Tentando sempre fugir
E nunca lhe transmitir
O que eu já sofri
O que por outro senti
Sempre a chorar e sorrir.

Mas isso foi superado
Nada mais existe guardado
Tudo em mim foi renovado
Ficou apenas o amor
Com todo seu esplendor
Para quem for por mim amado.

Eu não sinto rancor
Por quem me provocou a dor
Com todo seu horror
Me vai um agradecimento
Pois renovou meu sentimento
Deixando intacto meu amor.

Hoje sinto a felicidade
Dentro da realidade
Longe da falsidade
Que eu presenciei
Naquele que eu pensei
Que amava de verdade.

Cheguei a uma conclusão
Que antes senti apenas paixão
Numa primeira ilusão
Que foi tão passageira
Mas, que vai servir pra vida inteira
Como uma rígida lição.

Entregarei um amor amadurecido
Sem marcas, do lembrar esquecido
Mas, que já foi muito ferido
Pelas malhas da decepção
Mas, não atingiu o coração
Que estava protegido.

Meu sentir não foi tocado
Não foi meu coração decepado
Nem meu amor foi marcado
Aprendi que a paixão
Provoca grande revolução
Mas, é um sentir alienado.

O amor é diferente
É algo que a gente sente
Sem reflexão da mente
Ele é tão natural
É um sentir especial
Que vive eternamente.

Te amando sem loucura
Em uma simples candura
Emanando a doçura
Encontrada em cada ser
Que se completa com o prazer
Na prática mais pura.
Nísia Maria de Souza
Enviado por Nísia Maria de Souza em 26/09/2006
Código do texto: T250035
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Nísia Maria de Souza
Natal - Rio Grande do Norte - Brasil, 56 anos
197 textos (3142 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 10:59)
Nísia Maria de Souza