Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ABISMO, SAUDADE DE TI

Meu amor, a saudade me abateu...
E em pânico desabei do abismo
Sem sustentação, sem esperanças,
Meu corpo enegrecido voou...

Rasgando a pele, o ar gélido deflorou-me,
Inutilizando minha esperança única
De salvar meus dias do lamento
Insandecido de querer-te.

Mas, meu amor, a vida impregna a sua dor
Em mim, em ti, em nós dois, loucos, incoerentes
A brincar de paixão, sem perceber brotar vigorado
O Amor incondicional, sem salvação.

Não há nisso redenção... estamos condenados,
Por tentar... tentar conter nosso desejo intenso
De querer sentir o gosto dos nossos medos...
E, juntos, termos coragem para vencer.

Falhei, por isso, agora, estou em desespero.
Não fui capaz de conter o que me arde;
Não fui capaz de conter o que me tenta.
Falhei, por isso, agora, estou em pânico.

Vendo me aproximar do chão... a queda
Crucial em minha angústia desvairada...
Meu abismo mortal é meu peito, meus pensamentos
Levando-me a loucura da saudade inerente.

Meus desejos me traíram, condenaram
A única forma de vida pensada
Não há mais razão em mim
A não ser o vôo sublime ao solo.
 
Alberto da Cruz
Enviado por Alberto da Cruz em 11/10/2006
Código do texto: T261564

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite Alberto da Cruz e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Alberto da Cruz
Angra dos Reis - Rio de Janeiro - Brasil, 36 anos
202 textos (25779 leituras)
15 áudios (1095 audições)
6 e-livros (1211 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/08/17 18:54)
Alberto da Cruz