Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Cenas da noite

A noite está sombria e deserta
Como o meu coração.
Vejo o vento levar o papel
Assim como seu adeus na estação.
Não peço para que fique,
Pois assim como as nuvens se vão,
Você também deverá ir.
E quem sabe você volte como a chuva
E me molhe por inteiro,
Deixando-me completamente
Afogada em seus braços.
O tempo começa a se fechar,
Trovejar, relampejar, raios a me assustar.
Assim como a minha garganta
Começa a se sufocar para que os meus gritos
Não comecem a despertar a vizinhança,
A quebrar os vidros das janelas já fechadas
E alcancem os seus ouvidos
Que não devem ouvi-los nunca,
Pois fui eu quem os libertei da minha voz
E sou quem quer que eles sejam sempre livres
Da minha voz e das outras.
Egoísta sim, como a chuva que começa a cair
Sem nem mesmo perguntar se queríamos assim.
A chuva cai e molha a janela
Que meu grito poderia ter quebrado.
Mas como a imagem que outrora sombria e vazia,
Agora só escura e chuva caindo;
Eu sei que já não vai mais
E o adeus na estação ficou apenas
Na lembrança do que aconteceria.
Não sei se seria melhor que a chuva parasse
Ou que me encharcasse;
Que você fosse embora,
Ou que me afagasse.
Cenas da noite continuam passando,
Elas ainda não terminaram.
Não sabemos quando elas cessarão
Mas, pelo menos, esta poesia já está finalizada.
Gabriela Ferper
Enviado por Gabriela Ferper em 22/10/2006
Código do texto: T270383
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Gabriela Ferper
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 30 anos
7 textos (361 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 17:54)
Gabriela Ferper