Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Quixote


Com Roncinante a vagar por prados estéreis, sozinho,
Esquálido, vergado pelas agruras que me deu a vida,
Cansado, já até sem forças para combater moinhos,
Passos trôpegos, vacilantes, cabisbaixo, alma ferida.

No horizonte distante, onde o sol se queda alaranjado,
Por entre montanhas de desilusões e dores superadas,
Faiscante no regato de suas lágrimas, eis-me determinado,
A persistir na busca, mesmo assim, da mulher amada.

Sob a armadura que me cobre o peito tantas cicatrizes
De cada uma das desilusões sofridas, cruel destino,
Triste sina de quem busca sonhos, ao léu, sem raízes.

Súbito, paro! Demente, braços ao céu, corro pela aléia,
Sob o elmo não mais tristeza, agora sorriso de menino,
Abraço o éter e encontro a paz final nos braços de Dulcinéia
LHMignone
Enviado por LHMignone em 21/09/2005
Reeditado em 30/09/2013
Código do texto: T52527
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
LHMignone
Mimoso do Sul - Espírito Santo - Brasil
1319 textos (200092 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 06:18)
LHMignone