Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DELÍRIOS DE UM POETA BÊBADO



Quando nos vapores da bebida adormeço
Deixando que este corpo sofrido
Desabe sobre as calçadas da vida
Em uma esquina qualquer
De qualquer lugar
Na sarjeta de um bar,
Nas trevas do meu sono
Um fantasma do passado
Curva-se sobre meu corpo desfalecido
E agarrando-se as minhas lembranças
Como louco gargalha chora.

Quem é essa pobre visão
Que desperdiça suas lágrimas
Em gemidos tão aflitos
Por tão miserável cão?!
Será um anjo caído
Ou quem sabe uma mulher?!
Será que é um demônio qualquer
A quem eu possa sem medo
Estender minha mão
Chamando-o de irmão?!

Visão! Fatal visão!!
Porque derramas sobre esse corpo apodrecido
Essas derradeiras palavras balbuciadas entre soluços
Como se fossem as últimas que escuto?
E porque do fundo do seu coração
Saem tão doloridos gemidos
Para abraçarem meus suspiros
Caindo juntos por sobre a lama
Que escorre pelo chão?

O que falas?!
O que dizes?!
Sua voz!?... Essa voz...
Eu sei que já ouvi!
Já foi um hino de amor!
Já foi um grito de dor!!
Mas agora... O que é?
Talvez seja minha.

Dessa vez eu tive sorte!
Antes que eu descobrisse a verdade
O dia amanheceu
Acabou a fantasia,
E a morte não veio...
Então acordei contrariado
E fui pra casa
Escrever outra poesia.

PROFESSOR;ABNER BUENO

 







 

Abner poeta
Enviado por Abner poeta em 13/09/2017
Código do texto: T6113169
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (CITAÇÃO DA AUTORIA). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Abner poeta
Aparecida de Goiânia - Goiás - Brasil, 53 anos
435 textos (9809 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/11/17 06:33)
Abner poeta