Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Rubro encanto

Hoje,
Sem retirar à recordação o ardente sabor concebido em torno do teu corpo,
Sem os versos espontâneos da tua voz, vizinha de sonhos oceânicos…

Hoje,
Sem provar o gracioso repouso,
Sem ressurgir na fúlgida delícia da emoção peregrina que se encanta no teu olhar…

Hoje,
Pensamento meu mareando
(em silêncio)
Nas ondas vadias e gentis da tua imagem apetecidamente colorida…

Hoje,
Sem escutar o mistério singular e errante da melodia perfumada dos teus gestos,
Aconchegantes
no dia          a          dia
Em dourada graça e distinção do lamento de rosas mordidas pela dor…

Hoje,
Que te preenches de água-marinha em horas risonhas
(ausentes de lembranças reservadas),
E que juraste de novo por Apolo, por Esculápio, por Hígia e Panaceia,
E que de novo beijaste o verde como um navio cor de esmeralda, em cujo retiro
(belo na sua luz cativante)
Apetecem mil lamparinas de eternas nithingales…

Hoje,
Pelas horas amplas em que a incompreensão
 (dormindo de olhar decotado e fluindo com tonalidades turvas)
Se vai ajeitando desdenhosa contra a margem mimosa da tua estrada…

Hoje,
No limiar das coisas universais da beleza e do movimento
Em que voluptuosamente consistes,
Em que se fecham teus olhos respirando secretas e húmidas harmonias,
Em que tuas mãos sorriem, rítmicas e oscilantes, às estrelas…
Em que um apetecido esplendor se desdobra por entre as tuas árvores,
Em que, amante, te estendes à ousadia do desejo,
e bailas
(com teu traje expansivo),
e estremeces
(com a cadência vital da primavera… de onde não te afastas),
e, iludindo rios e marés, beijas e invocas sucessivos beijos
(do lado de lá ao tempo)…
Hoje,
Que das encostas da montanha ouço o sopro erótico no teu aroma de anjo…

Hoje,
Entre duas ondas que se derramaram na praia da tua tez
E te inundaram em laranjais de fulgores sensuais,
Unindo-se em realce no teu corpo descoberto em segredo…

Hoje,
Em que teu decidido abraço de trigo com fragrâncias maternais
Se encontra com a poesia para além da imaginação…

Hoje,
Em que na tua forma de infinita adolescente se dança o balanço
lúbrico,
tenro,
impulsivo
de ardências sublimes…
Como quem só pede uma parcela de infinito
E…
E merece um rosto cantando os areais de um litoral imenso de luar…

Hoje,
Em que a voz distante do mar te envolveu nos seus braços
E te entoou, também ele, canções de embalar


Sim, hoje…
Hoje…
Possuí o teu sorriso.
(DIONÍSIO VILA MAIOR, in "Cântico Atlante", Coimbra, Pé de Página Editores)
DC
Enviado por DC em 23/08/2007
Reeditado em 23/08/2007
Código do texto: T620073

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
DC
Portugal
16 textos (548 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/17 17:08)
DC