Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Trato

Vivíamos plenos de desejo e era tudo uma festa;
- nosso gozo, a farra e mais toda a alegoria, -
a gente vivia feliz em fazer loa e seresta,
e fazia tudo bem gostoso e com alegria.
Depois, começou essa coisa de segurar letra,
de ciumeira por nada e coisa nenhuma
e a gente se meteu em um monte de treta
e se deixou levar, sem perceber, pra parte alguma.
Nos apaixonamos e o amor tocou nosso coração,
e tudo, em vez de ficar melhor, parece que desandou;
o riso virou lágrima à toa, a palavra, discussão
e um monte de gente de nós se adonou.
Nossa ginga, nossa toada, tudo virou desaforo,
o silêncio fez da ausência uma atitude necessária,
o que era tão junto teve que dar tempo de foro
e forçaram nossas terras a uma reforma agrária.
Se apossaram do que nos pertencia, meu e teu,
entraram em nossa seara e se intitularam donos,
eu nem sabia mais se quem perdia era você ou eu,
mas nós dois tivemos que dar conta dos danos.

Se o amor chama por nós, - faremos tudo de novo -
reformulamos e voltamos ao nosso pacto de antes;
vivendo o inteiro prazer de gozar em meio ao povo,
fincados no silêncio e, deliciosamente, amantes...


http://versosprofanos.blogspot.com/
Maria Quitéria
Enviado por Maria Quitéria em 25/08/2007
Código do texto: T623109

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (http://recantodasletras.uol.com.br/autores/mquiteria). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Maria Quitéria
São Paulo - São Paulo - Brasil
1098 textos (345062 leituras)
1 áudios (2465 audições)
4 e-livros (3953 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/10/17 07:46)
Maria Quitéria