Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Olhos famintos

Seus olhos são estrelas da madrugada repousando em lagoas de safira,
Cristais das relíquias palacianas proibidas ao mero mortal.
Dançarinos coreografando inebriados ao som da lira da vida,
Canção triste entoada devotamente pelo sino angelical.

Espelhos raros,
Janelas de uma alma vivaz.
Nascentes de lágrimas quando o sol se despede ofegante,
Choro das ondas que nascem morrendo numa ironia sagaz.
Relâmpago, imortal no seu instante!

Crianças brincando de roda no jardim das poesias
Sem saber que trazem nos lábios o riso dos deuses!
Andorinhas andarilhas que ao cair da noite se vão em bandos
Feito monjas ululando suas preces na mais completa harmonia!

Riachos rasos de poucos lajeados que se turvam  e agitam em dor
a cada movimento brusco tanto das águas dos céus, quanto dos seus próprios peixinhos famintos de amor!
Loba Luares Líricos
Enviado por Loba Luares Líricos em 16/10/2007
Reeditado em 25/10/2010
Código do texto: T696522

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Loba Luares Líricos
Ponta Grossa - Paraná - Brasil
32 textos (2162 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/10/17 19:10)
Loba Luares Líricos