Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ROGÉRIO SILVÉRIO O POETA REDIVIVO (OU O POEMA DO POETA DESTRAMBELHADO)

ROGÉRIO SILVÉRIO O POETA REDIVIVO
(OU O POEMA DO POETA DESTRAMBELHADO)
 
(Escrito por ele mesmo; escrito com a crueldade amorosa de um anjo caído)
 
Penso, logo insisto.
É que a vida me parece insana
Quando acordo pela manhã
E descubro que ainda estou vivo.
 
Como é bom ser idiota.
Eu, quando amo,
Torno-me tão bobo
Que desisto de ser poeta
Pra contemplar o sorriso da musa.
 
Dignidade mirífica do homem do Sul!
Voejam em seus versos,
Nu e excitado por Vênus.
Agora falo com meu melhor amigo:
Eu mesmo!
 
Que saudade que eu tenho
Daquele poeta que eu nunca
Consegui ser!
É que eu fui poeta em sonhos líricos.
Agora estou afundando
Nos desejos álacres e pueris de amar.
 
Até agora voei sozinho,
Mesmo acompanhado.
Agora cavalgarei cometas
E estrelas cadentes
No Cosmo ardente
Da minha fantasia pirilâmpica!


(Postado pelo ex-recantista e poeta Rogério Silvério de Farias, em 26/10/2007)
Marisa Queiroz
Enviado por Marisa Queiroz em 26/10/2007
Código do texto: T710459

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite nome do autor e link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Marisa Queiroz
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
265 textos (123134 leituras)
4 áudios (831 audições)
1 e-livros (161 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/08/17 11:03)
Marisa Queiroz