Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Palavras

Nas palavras do poeta,
A menina acreditou.
Em um mundo de poesias, onde amar não há limites!
Por sua magia, se enfeitiçou.
No olhar do poeta, viu um convite.
Na sua cama, só teve gemidos!
Em suas curvas, a poesia do poeta se espalhou.
A menina, enfeitiçada pelo poeta andarilho,
O seu bem mais precioso entregou.
O poeta, extasiado pela
Ninfa juvenil,
Na loucura do acaso,
Embriagou-se do seu corpo,
Bebendo até a última gota
Do seu suco juvenil.
Nos braços do que acreditava ser seu grande amor,
a menina apaixonada adormeceu.
Sob o olhar da Deusa- lua, o poeta admira, em seu leito, toda nua,
A menina que agora é mulher!
Último olhar.
Última carícia!
Último verso.
“Minha poesia a invadiu.
Tamanho amor proferiu.
Mas presa em ti não pode ficar.”
No refúgio da noite, o poeta fora embora.
A menina, ao acordar, vê os restos de poesia proferidos.
Do amor, que outrora falara que seria eterno,
Restaram vestígios e restos nos lençóis ali marcados,
Misturados com as sobras do amor prometido,
Que o poeta andarilho ali deixara.
Resume-se agora em um mero bilhete.
Lágrimas inquietas de sua face
começam a brotar .
A menina-mulher aprendeu as facetas
do amar.
EDU
Enviado por EDU em 03/11/2007
Código do texto: T722192
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
EDU
Praia Grande - São Paulo - Brasil, 39 anos
127 textos (9404 leituras)
1 e-livros (92 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/17 21:15)
EDU