Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

JANELA E O GATO


JANELA E O GATO

 

Não posso abri-me
Não posso deixar que ninguém
toque minha janela
Que dirá a porta Não sou sacada em seios
com brotos de hortênsias
Nem rosas perfumadas de outrora Não posso abrir-me
Pois você visitante tem-me
já tão sem perfume
no limbo de tuas lembranças

Não posso abrir-me
Pois o telhado é fosco
frio e nada quente
As paredes enrugadas
Não vais querer subir
Pois é gato seco
sem brilho em teus olhos
sem unhas, sem garras
Não me agarrarás
Sem aquele teu molhado pelo
que me açoitava.
Não mias mais em mim
Naquela casa tão pura
Jaz tão branca morada
Não posso abrir-me
É a verdade do tempo.

Cíntia Thomé

*Direitos Autorais

Cíntia Thomé
Enviado por Cíntia Thomé em 14/11/2007
Código do texto: T736597

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Cíntia Thomé
Campinas - São Paulo - Brasil
206 textos (10271 leituras)
56 áudios (3883 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/08/17 11:50)
Cíntia Thomé