Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Mel e Fel

O vento espalhou sementes a espera que alguma brotasse.
Mas o sol, cheio de curiosidade, perguntou:
_ Aonde espera que caiam?
_ Ao acaso, respondeu o sapiente vento.
Secas,
Amargas,
Inativas,
Caíram num coração de pedra,
Quase agreste,
Árido demais para amar.

Vi meus sonhos ruírem de repente,
Castelos de gelo,
Fracassos ensopados,
Desejos que escorregam dos dedos;
Vi a morte que me abraça lentamente,
E anjos que pedem pra eu ficar.

Rasguei meu corpo,
Abri o peito
Numa chaga para minh’alma voar.
Mas no abismo,
Poço sem estrelas,
Lúgrume mundo,
Sem meu norte,
Sem o eco da tua alma
Só tateei solidão e morte.

E na carne ferida
Busquei lascas,
Turvas esperanças,
Migalhas de carinho teu.
Entre espinhos,
Lanças trocadas,
Teu desprezo,
Meu lamento,
Flechas perfurantes de almas
Que fazem labirintos,
Carrosséis doentes,
Entorpecentes,
Lágrimas de loucura e dor,
A agonia em forma de flor,
Promessas quebradas,
Rasgadas
Que ouvimos de amor.

E a luz que um dia
Abriu-me em fendas
Desatando meus nós,
Deixou-me a deriva
Entre destroços de amor e vida.

O ser que reinventou meu sol,
Entrelaçou estrelas para nos amarmos,
Esqueceu que depois do dia
Viça à noite, negra e vazia
Que torna meu sol um breu,
Mar de dor,
Pranto de um eterno amor.
Esqueceu que até mesmo no meio da vida,
Quando enxergamos o horizonte e as estrelas,
O feito e o efeito,
Que amargamos um bocado de fel,
Há flores que ferem
E também perfumam,
Que envenenam
E também adoçam,
Que matam
E também enfeitam.
Desafiam a rocha e o céu,
E que entre arestas e pétalas,
Mel e fel,
Há sempre uma espécie de nirvana
Fazendo renascer do nada
A ave húmil,
Porém púrpura e dourada
Que germina das cinzas
Trazendo o néctar que sustenta a frágil flor
Que desabrochou na pedra,
O mel do amor.

20/07/05

Espalha Flores
Enviado por Espalha Flores em 30/11/2007
Código do texto: T759167
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de ISABELLE NOGUEIRA PROENÇA). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Espalha Flores
São José dos Pinhais - Paraná - Brasil, 54 anos
55 textos (2240 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/10/17 03:53)
Espalha Flores