Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A dor que alimenta

Se tiveres que me deixar
Que então me deixe.
Se tiveres que me odiar
Não se reprima, odeie.

Se for me maltratar
Sem pena, sem dó.
Quero que faça com raiva,
Que das minhas lembranças em sua mente
Delas restem apenas pó.

Na tua muralha de desprezo,
Me fortaleço
Sem medo, sem receio.
Essas lagrimas de dor
Que do seu rosto oscilam
E a tua alma lavam,
É pouco, comparado
Ao meu pranto derramado.
De um pobre coração
Que ainda respira
Mesmo ensangüentado

A dor da perda
É o engolir de espinhos.
Rasga-se tudo por onde passa
E a cada mover de pensamento, trava
Sangra e maltrata.

Então se for pedir
Para que um dia te esqueça.
Não faça, nem pense.
Por mais que eu tente
Essa dor será sempre presente.

Como uma ferida aberta
Que nunca sara,
Traz a lembrança de um passado,
Que mesmo sonhando acordado
Alimenta esse amor que nunca acaba.
Matheus Mello
Enviado por Matheus Mello em 02/12/2007
Reeditado em 21/07/2010
Código do texto: T761988

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Matheus Mello
São Paulo - São Paulo - Brasil, 29 anos
103 textos (7407 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/08/17 22:31)
Matheus Mello