Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Dispa-me/Dispo-me/Despi-me - Trieto - Deth Haak/Fada das Letras/Denise Severgnini


Dispa-me...

No oitante luar primaveril
Em Vênus a reluzir
As diáfanas águas de março
A desaguar de meus rios
Dispa-me...

Da cortiça do rubro mais fino
Gondoleiro nas barcarolas
Clássicos das pianolas
Nas harpas de meus pífanos
Dispa-me...

Dos acúleos e máculas
Pragas e fungos deste jardim
Dos braços do pélago raivoso
Nas incertezas do tempo
Dispa-me...

Do vento que sopra manso
A desvendar o intento
Nos broches em diamantes
A brilhar no infinito
Dispa-me...

Das folhas secas do outono
Dos raios de sol do verão
Das fúcsias invernadas
Nos campos primaveris
Dispa-me...

Da luxuria do alfarrábio
Ansiando rimar os poemas
Das letras matizadas
Em vogais e consoantes
Impressas em meus versos.
Dispa-me....


DETH HAAK
19/11/2005

DISPO-ME

Dispo-me...
De toda a dor, todo o egoísmo...
Dispo-me...
De tudo que sou, para te seguir...
Dispo-me...
De pátria, raça, família...
Dispo-me...
De preconceitos, de valores feitos...
Dispo-me...
De amizades, outras vontades...
Dispo-me...
Do que desejo para te amar...
Dispo-me...
Do meu desejo para te servir...
Dispo-me...
Da minha alma, para vestir a tua...
Dispo-me...
Da minha carne, para cobrir teus ossos...
Dispo-me...
De minha vontade, para agradar teus desejos...
Dispo-me...
Do meu ciúme para te ofertar outro amor...
Dispo-me...
das minhas lágrimas para lavar tua alma
Dispo-me...
do meu sorriso para alegrar teus dias...

Tudo te ofereço....recebe o meu presente...
Tudo o que meu coração deseja e sente...
É fazer-te feliz, sentir-te contente....
Preencher-te de amor, não seres mais carente...


Fada das Letras
29/11/2005


 
DESPI-ME
 

Despi-me,

Das  forças que sustentavam meu ser

E ofereci...

 

Despi-me,

Das ilusões que julgava real

E acordei...

 

Despi-me,

Das palavras que compunham meus versos

E não mais poetei...

 

Despi-me,

De todos os amores que tive

E não mais amei...

 

Despi-me de tudo

Deixei minha alma incolor

Meu corpo inerte

 

Feneci!

 

Luz Divina abraçou-me

De nova roupagem adornei-me

Luz suave do repouso

Restituiu-me a força

Vislumbrei o real

Poesia fez-se vida em mim

Amei com maior ímpeto

 

Vivenciei a Paz interior

Hoje, dispo-me apenas

De todo dissabor

 

 

Denise Severgnini
01/12/2005
 
Fada das Letras
Enviado por Fada das Letras em 01/12/2005
Reeditado em 01/12/2005
Código do texto: T79686

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Fada das Letras
Almeirim - Santarém - Portugal, 60 anos
243 textos (32138 leituras)
3 áudios (178 audições)
5 e-livros (288 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 20:00)
Fada das Letras