Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Filosofia de um sentimento - Amor - Trieto by Denise Severgnini, Fada das Letras e Deth Kaak

 

Quem sou eu?

Sou uma estrela à procura de um firmamento para brilhar...

Sou um mar à procura de uma praia para quebrar-se...

Sou um sol à procura de um dia para iluminar...

Sou um corpo à procura de uma alma para animar-se...

 

Quem és tu?

És um firmamento em busca de uma estrela;

És uma praia em busca de um mar;

És um dia em busca de um sol;

És uma alma em busca de um corpo.


 
Quem somos nós?

Somos a imensidão do firmamento,

onde fulgentes estrelas

abrilhantam as noites

Somos o mar

a quebrar-se na praia

em flutuantes espumas.

Somos o sol

que ao iluminar cada dia

presenteia vida à natureza.

Somos corpo e alma

que animam-se

ao entrarem em conjunção.

 

Somos nós mesmos!

Eu e tu...

Tu e eu...

Porque nos amamos,

E o amor,

é a razão maior de nossa existência.


DENISE SEVERGNINI

 

Quem és tu que de tão longe me envolves em ternos laços de carinho?

Quem és tu que Deus, o destino, ou a vida, colocou no meu caminho?

Quem és tu ser tão cheio de sentimentos aprisionados, porém sózinho?

 
Serás o sol, serás a luz, do mar a onda revolta, da montanha o rebelde rio?

Serás o vulcão que explode em lava, serás o fogo ardente que afasta o frio?

Serás no céu a estrela mais brilhante, da cascata a água  que escorre em fio?

 
Não sei quem és, não sei definir o teu carinho, não sei equacionar teu amor

Não sei medir a força que me dás, não sei somar os dias de afecto e ardor

Não sei porque te amo, não sei porque te adoro, é desmedido teu fulgor...

 
Só sei que me fazes bem, que mesmo de longe  me afaga a alma teu sorriso,

Só sei que mesmo tão longínquo, estás sempre comigo, quando é preciso...

Não sei se é filosofia, ciência, poesia, mas teu amor é tudo quanto necessito...

 
Fada das Letras




Eu sou o vento que a ti sopra manso nas nuvens cálidas do dia.

Eu sou o mago quiçá um anjo quem seu fadário ilumina a vida

Eu sou afago acalanto pranto, da boca da noite escura á alvura ...

 

Sou arbol da noite finda sou a musica a estrela matutina

Sou pélago bordo a retina, sou nascente na cabeceira fluida

Sou a labareda incandescida, que os poetas chamam paixão..

 

O que sei é que, é fado cantado nas tramas de muitos abraços.

O que sei é que sois maestro dedilhando meu corpo a compor .

O que sei é insônia no leito inexplicando o que não se explica...

 

Sei que me fazes ouvir as flores, falar aos pássaros no ninho

Sei do desejo que sinto, às ânsia-lo saboreando rubro vinho,

Sei que por ti não há pesadelos pois já não durmo sozinho...

 

És tu... Do meu cerne ressequido a semente do amor mais pulcro.

Es tu ...A tingir meus crepúsculos , matizes lilases amor revisitado!

És tu...O sorrir minh’ alma a saciar a sede, na bulimia do amado ...

 

Deth Haak

30/11/2005
Fada das Letras
Enviado por Fada das Letras em 02/12/2005
Reeditado em 02/12/2005
Código do texto: T80190

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Fada das Letras
Almeirim - Santarém - Portugal, 60 anos
243 textos (32131 leituras)
3 áudios (178 audições)
5 e-livros (288 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 22:55)
Fada das Letras