Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

a morte do amor

Por vezes o amor agoniza.
Sofre, dói, dilacera.

É amaldiçoado pela parte que se julga desamada, afloram todas as mágoas guardadas e julgadas esquecidas, muitas até inexistentes.
O amor num átimo de segundo transforma-se em ódio, em desamor. Uma tênue e reversível mudança.

Julgamos o amor morto, acabado... finito.
Ledo engano... Como a mitológica Fênix, ele renasce das cinzas com uma nova roupagem, sem máculas, sem cicatrizes. A "capa" é nova, mas o sentimento é o mesmo, ele nunca morre, se faz de morto, hiberna, controla seu metabolismo até se tornar imperceptível, para preparar seu retorno triunfal.
É apenas um truque inteligente para fazer com que reflitamos nossa relação com ele, aprendamos com nossos erros e modifiquemos o que nos incomoda para o tornarmos pleno, para que ele reine soberano, sem dúvidas ou oposições.

Ele é imortal, mas não é linear, muitas vezes sua retirada é necessária, por mais dolorosa que seja, mante-lo preso, sem seus alimentos (carinho, atenção, dedicação, afeto, etc...) é vê-lo sofrer e causar sofrimento.
Ele só dura em liberdade, e é nela que ele vive seu ápice, o auge de sua plenitude e criatividade, aumentando qualitativamente mais e mais ...

Não se iludam, ele não morre e isso é uma benção, pois sua morte significa nossa morte, por mais que algumas pessoas afirmem o contrário, não se vive sem amor. Quem assim afirma mente para si mesmo e guarda encarcerado em si um amor que só simboliza sua própria dor.

Se o amor lhe parecer morto, mergulhe dentro de si e resgate-o, crie um ambiente que propicie seu renascimento, deixe-o aflorar e iluminar sua vida escura, deixe sua luz guia-lo e siga-o, mesmo que não pareça, ele sempre te levará ao caminho certo, basta seguir suas setas e ignorar atalhos e veredas que ele não penetre, sem pressa, sem medo ...

No amor, nada é definitivo, só ele. Nada é impossível, só a sua ausência. Nada é errado, apenas não vive-lo.

Ame, viva, renasça.

Sempre, sempre, sempre.
Daniele Garcia
Enviado por Daniele Garcia em 06/01/2006
Código do texto: T95386
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Daniele Garcia
Niquelândia - Goiás - Brasil
36 textos (4193 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 00:20)
Daniele Garcia