Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ODE AGUIRROSA (Guimarães Rosa)

Que a minha escrita não trema
que meus lábios não emudeçam
ao deitar no inferno todos os detratores
que destilam veneno.

Louvarei o agnóstico
libertador da vida
enclausurada pela casta romana bem polida
(ah, o horror da fogueira chiando
tangida pela mão de não sei de que Puro
e a pensar, pelas cinzas, que ainda tem arbítrio!...)...

Louvarei o sonho
de um dia alimentar toda a fome do mundo,
desapropriar o carrasco
e dar ao nascer um poente nobre.
(ah, a vida galopando às doidas
nos amores sem freios
do prazer etéreo e eterno destino!...)...

Louvarei os grandes sertões
não sem o apreço ao Magma poético
e seu soberbo bibliocausto.
(ah, o prazer com que eu ainda o recitaria
a cada uma das voltas glamourosas
das eternas semanas roseanas!...)...

E só ficará comigo
a cicatriz de palavras ferinas,
atormentando os habitantes das trevas vazias.
Porque eu só preciso
da escrita livre nonada de um João alguém
da pena encantada na chapada dos Guimarães
e da beleza rubra da Rosa.
jocase
Enviado por jocase em 09/10/2007
Reeditado em 09/10/2007
Código do texto: T687580
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
jocase
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil, 58 anos
23 textos (2420 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/08/17 23:45)