Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A minha professora árvore

A minha professora árvore

Um dia em meu quintal fiquei a olhar;
Não conseguia desviar, estava fito em um ponto.
Era uma jovem e linda  árvore com dotes de professora.
Ela tão caprichosa e bem firme ensinava-me a viver.

Quando naquela casa  simples e aconchegante  fui morar.
Os parentes que me visitavam rotulavam a árvore com vários frutos.
Ninguém sabia qual o nome da árvore e qual o fruto produzia.
Então vi que para nós o maior desafio era o entender.

Entender que para a conquista da paz  é importante não julgar.
A árvore era linda, firme e capaz, mas não precisava de comentários.
Se não sabe que árvore é, o melhor a fazer é estudá-la.
Porém entendê-la só será se nela for capaz de ler.

Entretanto, a vida dá entendimento ao que sabe esperar.
Após o verde da árvore veio às flores, mas ainda é mistério.
Das flores saíram os frutos, agora está claro a sua natureza.
Então veja que surpresa! Como é bom ter cuidados no que dizer!

Ninguém falou mangueira! Como pôde julgar?
Vejamos: a grande virtude do cozinheiro é achar o ponto,
A grande virtude do pescador é a paciência,
E a virtude do navegador é a ciência para não se perder.

Ai entendi que para não julgar  é preciso captar:.
Que toda atenção é pouca, para compreender este pequeno mundo.
Que temos professores gratuitos, mesmo onde menos se espera.
Que só amando verdadeiramente as pessoas, poremos crescer.

Jair de Oliveira
Enviado por Jair de Oliveira em 15/09/2007
Código do texto: T653018

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Jair de Oliveira
Corumbá - Mato Grosso do Sul - Brasil, 56 anos
154 textos (6650 leituras)
3 áudios (85 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/08/17 23:57)
Jair de Oliveira