Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

APELO À PA(Z)LESTINA


Não venha o verso
Nem a palavra poética!
É hora da musa silenciar seu canto
Para que todos os poetas berrem, se desesperem!
Que a humanidade chore a morte dos inocentes!
Declaro guerra  aos artistas:
Estourem e disparem tintas, mexam-se!
Derramem cantos de Paz!
Encenem a tragédia que não cessa!
Fotografias de ruínas nos flashem!
Há farpas de ódio em toda parte,
Templos cercados de tanques e arames farpados!
E os olhos do terror devoram o tempo dos armistícios!
Turba, turbantes negros da intolerância,
A terra tem uma fome maior que a tua
E devora sem piedade!
Quem proclamará a Paz?
A Paz que se esconde de vergonha
E chora derramados rios de sangue,
Manchando-lhe o alvo manto.
Nem Alá, nem Jeová,
Nem Deus, nem Javé,
Nem Salomão, nem Abraão,
Nem Jesus, nem Maomé!
A Paz é só uma questão de amor,
Amor humano, fraterno amor!
Marcos Cavalcanti
Enviado por Marcos Cavalcanti em 30/10/2007
Código do texto: T716486

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Marcos Cavalcanti
Santa Cruz - Rio Grande do Norte - Brasil, 44 anos
46 textos (2816 leituras)
3 áudios (106 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/08/17 04:15)
Marcos Cavalcanti