Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Antigo

Relembro o velho realejo
que tocava ligeiro
uma valsa marcada.
Era um brilho de festa
e eu espiava na fresta
a alegre valsa tocada.
Havia luz no meu dia
era antigo, mas eu dizia:
- Não há mundo feio!
A vida se fazia colorida,
era um canteiro que floria
e a saudade me veio.
O tempo hoje não passa,
não faço nada com graça
e as lembranças ficaram.
A moça vaidosa
na praça cheirosa,
eles jamais esqueceram.
Era vida nascida
no tempo, agora, esquecida:
do realejo, da polca e da festa
e eu continuo espiando na fresta
os velhos-moços que alegravam jardins.

Direitos Autorais reservados

Nica Barros
Enviado por Nica Barros em 01/04/2006
Código do texto: T132290
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Nica Barros
Pelotas - Rio Grande do Sul - Brasil
57 textos (7287 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 08:56)
Nica Barros