Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Do nada

É sempre assim
Numa tarde do nada
Que tudo vira madrugada

É por nada que o tudo me acontece
Vejo uma imagem de longe ao vento
Perto de um barulho marcado pelo tempo

Enquanto o encontro no meu canto
Sinto vozes que estavam por perto
Abrandando o meu peito inquieto

E por um tempo àquelas horas
Desviam um olhar trancado e mudo
E revira meu mundo

Deslizando-se num único
Que vira para o corpo quente que me abraça
E vira o toque que me embala

Vira receio de abrir os olhos
E perceber aquela luz partindo...
Vira o mero medo de não vê-lo vindo

Vira o macio dos lábios que toco
Revira mais que tudo, o que amo
Vira amor, amado, amando

E quando tudo virado, eu avesso
As pálpebras se abrem
E tudo vira saudade
Fabiana Alcântara
Enviado por Fabiana Alcântara em 10/10/2006
Código do texto: T260682
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Fabiana Alcântara
João Pessoa - Paraíba - Brasil, 32 anos
10 textos (334 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 13:20)
Fabiana Alcântara