Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Ode



As saudades são velhas
Não entoam mais palavras
Que sejam novas,
Que soem claras
Que corram soltas
Apenas suas mãos
Encanecidas e desesperadas
Aprisionadas como o corpo
Atrás das grades
Olhares mansos
Voz sem domínio
Andando pelos corredores
Na cantilena de um nome vago.

As saudades são bandeiras
Que voam livres
Como extensão do corpo
Açoitado e frio
Recolhido em si mesmo
Andrajo do que sobrou
Antes...flor.

As saudades se ajoelham
Cansadas
Frágeis
Céleres tesouros
De riqueza nenhuma.

São moedas
Minhas
De valor incerto
Defasadas
Envolvidas em panos rotos
Invisíveis, irreconhecíveis, inertes e inalcançáveis
As saudades são provas vivas.


LLima
Luciene Lima
Enviado por Luciene Lima em 04/11/2006
Código do texto: T282358
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Luciene Lima
São Paulo - São Paulo - Brasil, 50 anos
11 textos (211 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 06:46)
Luciene Lima