Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

REMINISCÊNCIAS

REMINISCÊNCIAS
 Aroldo camelo de melo

Lá estava a casa
Onde passei parte da minha infância!
Quis entrar, mesmo sem convite!
Cuidei que não seria necessário,
Afinal, eu não era um ignoto,
Vez que conhecia  seu reboco,
Seu piso, seu telhado.
Aquela casa não poderia dizer
Que não me conhecia.
Nem ela nem ninguém se atreveria!
Queria ver o quarto
Onde sonhei uma eternidade.
Queria rever meus sonhos,
Compará-los com a realidade
Do que hoje sou.
Meu Deus! Como me afastei de mim...
Queria rever meu pai, minha mãe, meus irmãos,
Todos sentados em volta da mesa,
O cuscuz fumegando, a água, na chaleira, fervendo,
O café lançando seu aroma além fronteiras,
Meu irmão Moacir declamando
Castro Alves ou um cordel do tio Zé Camelo!
De repente, senti um calafrio.
E se não existisse
Nem mais rastro do que se foi?
E se deformaram e saquearam meu templo sagrado?
De repente me dei conta
De que a linha do tempo se partira.
Meu Deus! Como estou velho...
Meus sonhos se perderam
Nas encruzilhadas da vida!


aroldo camelo de melo
Enviado por aroldo camelo de melo em 05/09/2005
Código do texto: T47813
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
aroldo camelo de melo
Brasília - Distrito Federal - Brasil
13 textos (862 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 06:48)