Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

INTERTEXTO>Poesia

SAUDADES DA CEILÂNDIA

Oh! Que saudades que tenho
Da minha Ceilândia querida
Onde não havia infância perdida
E hoje não temos mais
Que dias, que tardes, que noites.
No meu barraco de madeira
Olhava pro céu, contava estrelas.
Depois ia dormir

Lembrar desses dias
Me dá alegria
Trago muitas lembranças
Do meu tempo de criança
A poeira vermelha – vitamina de rosinha.
O quintal – fazenda sem porteira
Os braços de papai e mamãe – fortaleza
A vida – um final feliz

Brincadeiras de bete, e biloca
Onde ninguém perdia
Só ganhávamos doce e alegria
Naquela inocência sem fim
Jogávamos o dia inteirin
E a professora do jardim piscava os olhos pra mim

Oh! Saudade sem fim
Oh! Meu remédio era picolé e din-din
Na escola, Elaine era pra mim
Iracema para José
Em vez de revelar o meu amor
Pedia pra ela cantar pra mim
Minha mãe fazia bolo
E minhas irmãs comiam tudim



Wellington Abreu
Enviado por Wellington Abreu em 13/09/2005
Código do texto: T49981

Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Wellington Abreu
Ceilândia - Distrito Federal - Brasil, 41 anos
28 textos (2574 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 04:04)
Wellington Abreu