Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

LIBERDADE

          “Ciranda cirandinha
           vamos todos cirandar”
           As crianças a brincar
Não sentem o tempo passar.
Sequer um sonho a sonhar.
Nem uma escola por esmola.
          Os dias vão, meses e anos voam.
          Ler e escrever...
          Martírios juntos.
E as crianças continuam,
Serelepes a brincar;
nadar, correr e cirandar.
          E de repente,
          o futuro.
          Um futuro...
fragilizado,
destruturado;
impensado pelo passado.
          E de repente:
          Uma saudade.
          Mais do que uma
mil saudades/
Saudades mil;
da infância
          sempre festiva;
          da infância
          sem a violência
violência das drogas.
Das desigualdades sociais;
Das prisões... Justas
          ou injustas.
          A recordação da minha
          criancice me faz bem.
Saudade do lugarejo
que me viu nascer,
crescer e partir.
          Deixei o meu rio
          de águas claras e
          transparentes...
Rio Branco.
Para um rio de águas
escuras e poluídas,
          Rio de Janeiro
          a Cidade Maravilhosa
          Onde vivo e convivo.
Prisioneira da correria.
Da obediência ao tic-tac
do relógio;
          do avanço tecnológico.
          Horário do trabalho.
           do estudo das crianças,
o trancar de portas e janelas
Prisioneira no próprio lar.
E é por isto que tenho saudade
          do lugarejo
          que me viu nascer,
          que me viu crescer.
Saudade
da minha
Liberdade.

Ataliba Campos Lima
1,3/03/2007
Apoio Cultural www.jornalnovafronteira.com.br
Ataliba
Enviado por Ataliba em 16/09/2007
Reeditado em 24/11/2007
Código do texto: T655022
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Ataliba
Barreiras - Bahia - Brasil, 76 anos
20 textos (656 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/08/17 09:59)
Ataliba